Em 2012 o BBB (Big Brother Brasil) completará 12 anos de exibição no Brasil. Um fenômeno de audiência e de participação, que mobiliza milhares de brasileiros nos poucos meses em que fica no ar, sempre no início do ano. 12 pessoas passam 3 meses confinadas em uma casa com o objetivo de vencer o jogo e levar 1 milhão de reais. O BBB realmente é um jogo, no qual são testadas as capacidades de convivência, de colaboração e de transparência. Os telespectadores estarão vendo todos os movimentos dos jogadores, que podem mentir para seus pares, mas não para quem os assiste. Os BBB’s (como são chamados os participantes) são eliminados no famoso paredão, onde são indicadas duas pessoas que devem sair, e o público deve decidir quem irá ficar e quem irá sair da casa.

12 anos de sucesso do BBB

Comemoração de 12 anos do BBB (?)

Mas não é tão simples quanto parece. A convivência necessariamente vai gerando afinidades e antipatias, grupos serão espontaneamente formados, incluindo uns e excluindo outros. Pessoas se associam a pessoas mais fortes por interesse, complôs são formados como estratégia para se manterem na casa. Enfim, sentimentos de competição e de rejeição são uma constante na casa. Além do quesito convivência, os participantes devem passar por provas de resistência e vencê-las para poderem ser os “líderes da semana”, aqueles que têm imunidade diante dos votos para ir ao paredão. Nesses momentos a competição se acirra e todos querem vencer as provas, sempre muito difíceis. Já houve provas em que o vencedor seria aquele que ficasse mais tempo dentro de uma gaiola, em uma posição restrita; seria líder aquele que aguentasse ficar mais tempo sem urinar depois de beberem litros de cerveja, e muitas outras situações penosas.

BBB 2012

12 anos de Big Brother Brasil

Mas por que o BBB se tornou essa febre? Por que as pessoas se interessam em assistir outras pessoas confinadas em uma casa, cumprindo provas determinadas? Bom, adianto que minha resposta não será elogiosa, nem ao BBB, nem aos participantes e seus telespectadores. Em primeiro lugar é possível enxergar um impulso sádico extremado, tanto naqueles que criam o roteiro do jogo e suas provas de resistência, quanto naqueles que se interessam em contemplar e se divertem com o “aperto” alheio, a humilhação física e psicológica a que se submetem os participantes. Em segundo lugar, enganam-se aqueles que acreditam que ali estão diante de uma realidade crua, como o próprio nome diz, um “reality show”. É muito mais show do que realidade! Tudo ali é produzido, direcionado, calculado, editado. Os
participantes devem fazer certas coisas, não devem fazer outras, são coagidos a certas ações e limitados a outras. Tudo funciona como uma “caixa de Skinner”, aquelas caixas de vidros nas quais são condicionados o comportamento de ratinhos de laboratório. Com estímulos “x” eles se comportarão de tal maneira, com o estímulo y, de outra maneira. Por exemplo, dando bebida alcoólica a eles há a possibilidade de vexames, brigas, beijos, emoções extremadas… e bingo! Essas coisas acontecem e aumentam a audiência. Como o ser humano é bobo em ver graça em tudo isso! E todas as edições são iguais… existem sempre os machões, as piriguetes, o pobre, o pseudo-intelectual, o burro ou a burra… Uma profusão de estereótipos que insistem em reproduzir o mesmo. Há 12 anos!!! A explicação para o sucesso do BBB só pode ser a alienação, o sadismo travestido de torcida, o tédio com a própria vida que não busca se superar, a identificação diante dos comportamentos mais mesquinhos de competição, inveja e carência. Para os que não sabem, o nome BBB tem como inspiração o livro 1984 de George Orwell, que narra a história de em um regime totalitário controlado pelo Big Brother (o grande irmão). O Big Brother é o olho que tudo vê, que controla os passos das pessoas, suas ações e comportamentos. O que não estiver de acordo com a prescrição do Big Brother será massacrado, eliminado e reprimido pelo regime.

O "Grande irmão" de 1984

George Orwell, 1984, o totalitarismo e o Grande irmão

Não vou aqui mastigar mais uma reflexão. Isso fica a critério de cada um. Mas qualquer semelhança da realidade com a obra não é mera coincidência.

E você leitor? O que acha dos brasileiros que passam boa parte do tempo assistindo e discutindo a vida dentro da casa do BBB?

Faça abaixo um comentário inteligentecompleto e bem escrito para discutirmos a respeito!