Qualquer instituição de ensino superior e exames, como o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) ou os vestibulares tradicionais, exigem que o indivíduo tenha uma habilidade para dar sua opinião e argumentar sobre um dado assunto ou texto. Não há muitos segredos na arte de fazer uma boa dissertação, mas é necessário que a pessoa leia muito e tenha paciência para escrever muitas vezes.

Algo que deixa muitas pessoas ainda confusas são os tipos de texto que podem ser produzidos. São eles:

  • Redação Dissertativa: informar, transmitir informações para o leitor.
  • Redação Argumentativa: convencer o leitor de sua opinião.
  • Redação Dissertativa-Argumentativa: explica um tema e motiva o leitor a seguir a opinião do autor.

Começando a fazer uma redação dissertativa, uma das partes mais difíceis é informar sem tomar uma posição ou opinião para defender. Para evitar que isso aconteça, se for necessário, o autor deve deixar de lado o uso de adjetivos e basear sua estrutura em fatos que possui em mãos. Quando necessário, você deve expor sua opinião sabendo criticar, não apenas apontando pontos negativos sobre algo, mas também exaltando os pontos positivos.

Quanto mais você ler e estudar, mais assuntos irá conhecer e mais informações você terá apara enriquecer seus argumentos e seu texto. Mesmo que você não goste de moda, tente ler alguns artigos da área. O mesmo vale para esportes, televisão, teatro, economia etc. Algumas informações de jornais, livros e revistas podem facilitar e muito sua vida pessoal e profissional.

Tipos de texto

Uma das piores sensações que existem é ter que escrever um texto e não saber como começar. Praticando muito a arte de escrever pode te ajudar a melhorar seu desempenho e evitar o branco de criatividade. (Foto: trabalhosmonograficos.com)

Todo esse esforço pode ir pelos ares se você não for capaz de discutir e expor sua opinião utilizando a norma culta de nossa língua portuguesa, a não ser que o exercício peça o contrário. E essa habilidade é algo que aprendemos escrevendo e lendo muito, sempre com um dicionário do lado.

Nunca jogue informações de qualquer jeito para seu público. Sempre comece com uma introdução ao tema, um questionamento sobre o mesmo, apresentando pontos de vista positivos e negativos sobre o mesmo e utilize dados para fazer uma análise dos fatos, que serão revisados em sua conclusão. O ideal é que você monte um esqueleto de tópicos para seu texto e comece a enriquecer cada tópico com mais informações, mas nunca deixando parágrafos soltos ou isolados do restante de seu texto.

Começar se inspirando por outras dissertações, ou seja, pegando muitas informações do que alguém já escreveu pode ser uma boa muleta emocional para se sentir mais seguro com seu próprio texto. Porém, deve-se tomar cuidado para que isso não seja uma regra e você também consiga produzir textos independentes. Lembre-se que a forma que alguém escreve pode não ser necessariamente a forma que funciona para você.

Ter um jogo de cintura com um texto improvisando trechos dará espaço para sua criatividade e sua expressão pessoal na produção. Depois que você acabou de escrever todo o seu texto, é hora de ler tudo de novo e revisar. Busque por erros de pontuação e de escrita, além de erros de coerência e informações que possam estar faltando ao seu texto. Peça para alguém ler seu texto e fazer anotações. Depois, reescreva e mostre novamente para a pessoa. Esteja aberto para todos os tipos de crítica e para elogios também. Nem os melhores autores do mundo acertam de primeira, portanto é legal que você tenha paciência com sua própria produção. Pois com prática e repetição, você irá chegar muito longe!