O que é uma figura de linguagem? Usamos elas no dia a dia e vemos ela nas mais diversas formas escritas. Porém, sua definição formal nem sempre é conhecida. E se você quer aumentar suas habilidades na língua portuguesa, iremos falar um pouco sobre a definição de figura de linguagem.

O que é figura de linguagem?

Uma figura de linguagem é um artifício literário no qual a linguagem é usada de maneira incomum ou “figurada” para produzir um efeito estilístico. As figuras da fala podem ser divididas em dois grupos principais: figuras de linguagem que brincam com o significado comum das palavras (como metáfora, símile e hipérbole) e figuras de linguagem que brincam com o arranjo ou padrão comum no qual as palavras são escritas. (como aliteração, reticências e antítese).

Os antigos gregos e romanos enumeraram, definiram e categorizaram exaustivamente as figuras de linguagem, afim de entender melhor como usar efetivamente a linguagem. Os nomes da maioria das figuras de linguagem derivam do grego ou latim original.

Figuras de linguagem que brincam com o sentido literal das palavras são chamadas de tropos, enquanto figuras de linguagem que brincam com a ordem ou padrão de palavras são chamadas de esquemas.

Figuras de linguagem podem assumir muitas formas. Uma figura de discurso pode envolver uma única palavra, uma frase, uma omissão de uma palavra ou frase, uma repetição de palavras ou sons ou estruturas de frases específicas.

Figuras de linguagem x Linguagem Figurativa

Há muita confusão sobre a diferença entre os termos “figuras de linguagem” e “linguagem figurativa”. A maior parte da confusão decorre do fato de que pessoas diferentes costumam usar “linguagem figurativa” para significar coisas ligeiramente diferentes.

A linguagem figurativa refere-se a qualquer sentença que contenha figuras de linguagem. De acordo com essa definição, a linguagem figurativa e as figuras de linguagem não são exatamente a mesma coisa, mas são bem próximas. A única diferença é que as figuras de linguagem referem-se a cada tipo específico de figura de linguagem, enquanto a linguagem figurativa se refere mais genericamente a qualquer linguagem que contenha qualquer tipo de figura de linguagem.

A linguagem figurativa refere-se a palavras ou expressões que tem significados não literais: essa definição associa a linguagem figurada apenas à categoria de figuras de linguagem chamadas tropos (que são figuras de linguagem que brincam com o significado literal das palavras). Assim, de acordo com essa definição, a linguagem figurada seria qualquer linguagem que contenha tropos, mas não a linguagem que contenha as figuras da fala chamadas esquemas.

Você pode encontrar pessoas usando o discurso figurativo para significar qualquer um dos itens acima, e não é realmente possível dizer qual é o correto. Mas se você souber sobre essas duas maneiras diferentes de relacionar linguagem figurativa e figuras de linguagem, você estará em boa forma.

Figuras de linguagem

Entenda as figuras de linguagem para usar corretamente e melhorar seu vocabulário. (Foto: Geekie Games)

Figuras de linguagem, tropos e esquemas

A maneira mais antiga e ainda mais comum de organizar figuras de linguagem é dividi-las em dois grupos principais: tropos e esquemas.

Tropos são figuras de linguagem que envolvem um desvio do significado esperado e literal das palavras.
Esquemas são figuras de linguagem que envolvem um desvio da mecânica típica de uma sentença, como a ordem, o padrão ou o arranjo das palavras.

O sistema de classificação de esquema / tropo não é, de forma alguma, a única maneira de organizar figuras de linguagem, mas é o método mais comum, e é ao mesmo tempo simples e estruturado o suficiente para ajudá-lo a entender as figuras do discurso.

Tropos

Geralmente, um tropo usa comparação, associação ou jogo de palavras para brincar com o significado literal das palavras ou para colocar outro significado no topo do significado literal de uma palavra. Alguns dos tropos mais usados ​​são explicados brevemente abaixo:

Metáfora

Uma metáfora é uma figura de linguagem que faz uma comparação entre duas coisas não relacionadas ao afirmar que uma coisa é outra coisa, embora isso não seja literalmente verdade. Por exemplo, se alguém diz “está chovendo canivetes”, isso obviamente não significa literalmente o que diz. Isso é uma metáfora que faz uma comparação entre o perigo e peso dos “canivetes” e a chuva forte. As metáforas são tropos porque seu efeito não depende da mecânica da sentença, mas sim da associação criada pelo uso da palavra “canivetes” de uma maneira não literal.

Símile

Um símile, como uma metáfora, faz uma comparação entre duas coisas não relacionadas. No entanto, em vez de afirmar que uma coisa é outra coisa (como na metáfora), um símile afirma que uma coisa é como outra coisa. Um exemplo de símile seria dizer “eles lutaram como gatos e cachorros”.

Oximoro

Um oximoro une palavras contraditórias para expressar significados novos ou complexos. Na frase “a despedida é uma tão doce tristeza” de Romeu e Julieta, “doce tristeza” é um oximoro que capta as complexas e simultâneas sensações de dor e prazer associadas ao amor apaixonado. Os oximoros são tropos porque seu efeito vem de uma combinação das duas palavras que vão além dos significados literais dessas palavras.

Hipérbole

Uma hipérbole é um exagero intencional da verdade, usada para enfatizar a importância de algo ou para criar um efeito cômico. Um exemplo de uma hipérbole é dizer que uma mochila “pesa uma tonelada”. Nenhuma mochila literalmente pesa uma tonelada, mas dizer “minha mochila pesa 5 quilos” não comunica efetivamente o peso da mochila pesada. Mais uma vez, isso é um tropo porque seu efeito vem da compreensão de que as palavras significam algo diferente do que elas dizem literalmente.

Esquemas

Os esquemas são mecânicos e são figuras de linguagem que consertam palavras, sons e estruturas (em oposição a significados) para obter um efeito. Os esquemas podem ser divididos em formas úteis que definem o tipo de ajustes que eles empregam.

Repetição: Repetir palavras, frases ou até mesmo sons de uma maneira particular.

Omissão: Deixar certas palavras ou pontuação que normalmente seriam esperadas.

Mudanças na ordem das palavras: mudança de palavras ou frases de formas atípicas.

Equilíbrio: Criação de frases ou frases com partes iguais, muitas vezes através do uso de estruturas gramaticais idênticas.

Alguns dos esquemas mais comumente usados ​​são explicados brevemente abaixo.

Aliteração

Na aliteração, o mesmo som se repete em um grupo de palavras, como o som “w” em: “O rato roeu a roupa do rei de Roma.”. A aliteração usa repetição para criar um efeito musical que ajuda as frases a se destacarem linguagem em torno deles.

Assonância

Um esquema em que sons de vogais se repetem em palavras próximas, como o som “ão” e “u” na música Linha do Equador, de Djavan: “Essa desmesura de paixão / É loucura do coração / Minha foz do Iguaçu / Pólo sul, meu azul / Luz do sentimento nu”. Como a aliteração, a assonância usa sons repetidos para criar um efeito musical no qual as palavras ecoam umas às outras e é um esquema porque esse efeito é conseguido através da repetição de palavras com certos sons, e não jogando com o significado das palavras.

Elipse

A omissão deliberada de uma ou mais palavras de uma frase, porque o seu significado já está implícito. No exemplo, “Na sala de aula, apenas cinco ou seis alunos.” foi omitido o verbo (havia), mas ele está subentendido.

Paralelismo

A repetição da estrutura da frase para ênfase e equilíbrio. Isso pode ocorrer em uma única sentença, como “um centavo economizado é um centavo ganho”, e também pode ocorrer no decorrer de um discurso, poema ou outro texto. Paralelismo é um esquema porque cria ênfase através da mecânica da estrutura da sentença, ao invés de brincar com os significados reais das palavras.

Por que os escritores fazem o uso das figuras de linguagem?

As figuras do discurso são uma categoria que engloba uma ampla variedade de termos literários, por isso é difícil dar uma resposta a essa questão. Os escritores usam figuras diferentes da fala para obter efeitos diferentes.

Esquemas (figuras de linguagem que manipulam som, sintaxe e ordem das palavras) podem tornar a linguagem mais bonita, persuasiva ou memorável. Os escritores podem usar esquemas para chamar atenção para uma passagem importante, para criar um som que espelhe (ou contraste com) o significado das palavras, ou para dar à linguagem um ritmo que atraia o leitor. Como os esquemas tendem a funcionar através do som e do ritmo, elas geralmente produzem um efeito visceral, ou um efeito sentido no corpo. Em termos gerais, os esquemas são mais sensoriais que intelectuais.

Em contraste, os escritores usam tropos para prender o leitor intelectualmente, adicionando complexidade ou ambiguidade a uma palavra ou frase simples. Os tropos podem pedir ao leitor que faça uma comparação entre duas coisas diferentes, eles podem impor qualidades humanas a não-humanos, e eles podem significar o oposto do que eles dizem. Os tropos engajam o intelecto porque o leitor tem que estar alerta para o fato de que tropos não usam a linguagem pelo seu valor aparente, e um tropo nunca significa o que ele diz literalmente.

Todas as figuras de linguagem ajudam um escritor a comunicar idéias que são difíceis de dizer em palavras ou que são mais efetivamente comunicadas não verbalmente. Isso poderia ser repetindo consoantes duras para criar uma atmosfera assustadora, ou usando uma metáfora para impor as qualidades de algo concreto a algo mais difícil de definir. Em geral, as figuras de linguagem tentam despertar a emoção de um leitor e capturar sua atenção, tornando a linguagem mais colorida, surpreendente e complexa.

Vocês usam figuras de linguagem? Como? Escrevem usando-as?